segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Downshifting e Equilíbrio frente a políticas pró-consumo exacerbado


Embora todos que me conhecem saibam que eu não sou a rainha da organização e espaço clean, eu adoro espaços organizados, e ainda que meu quarto esteja cheio de tralhas, eu sei exatamente onde estão as coisas. Com exceção do meu chaveiro, perdido no fim do ano.

No meu trabalho, logística é essencial. Tudo tem seu lugar exigido em uma mala, no carro, ainda que seja o facão na bainha. Eu criei uma espécie de protocolo de organização que tem dado muito certo tanto para materiais do campo, quanto para procedimentos de amostragem e manejo dos bichos, incluindo anotação de dados (sim, eu tenho um tutorial pros estagiários!).

Eu encontrei esse equilíbrio (que é aprimorado em cada campo) pesquisando sobre políticas 5S, feng-shui e downshifting.

O princípio é levar tudo que é necessário num mínimo de espaço que um Fiesta pode aconchegar, incluindo backups paras as coisas essenciais, e mais 2 ou 3 pessoas.
Olhando para minha casa, porém, fico irritadíssima com tralhas a mais e falta de espaço para trabalho, tipo uma mesa onde mal se consegue colocar um laptop. Aí vejo meu armário, onde mal encontro espaço para colocar coisas que não tem o seu espaço certo (por exemplo, ganho um presente, uma caixa, uma mala... coisas de espaço temporário).
Como garanto que isso não deixa apenas a mim irritada, vou compartilhar com vocês um Guia Rápido Para Simplificar sua Vida (da blogueira Rita B. Domingues), que me ajuda, e fala desde lenços de papel a pastas virtuais de fotos embaralhadas!


Ressalto nesse post atitudes que eu me vejo fazer, por conta da falta de reflexão e tentações do marketing: consumismo! Please, comprar coisas é essencial. Mas o lance é comprar coisas boas, compatíveis para o que se precisa, que não sejam redundantes! No meu caso os excessos são, sem dúvidas, com roupas!!!

Espero que gostem do guia!





Cabra montesa se equilibrando para subir nas rochas.


domingo, 3 de fevereiro de 2013

Inspirações


Mais um da série campo poético:


Ode ao Artibeus

O Artibeus cai, inveterado
De embaúba muito bem alimentado
Foi voar justo ao lado
Desta rede um tanto acaçapada

Ó Artibeus, porque se mexes?
Tanto chacoalhas, enlouqueces
Emaranhas
E me arranhas

Choras como nato
me testas a paciência
um grito e Condescendência!

Nesta noite tranqüila e Além
Que tudo afague, bem acabe
E o Artibeus também.